contato@levycam.com.br | Contato: (11) 3242-3999 | Ouvidoria: 0800 770 7103

Dinheiro é algo que todos usamos diariamente, mas raramente guardamos, exceto para lamentar que não temos o suficiente. Os EUA usam o dinheiro desde 1792, e o Dólar foi o primeiro dinheiro foi na forma de moeda. Não sabia: Então confira essa e outras curiosidades sobre o Dólar, a moeda mais importante do mundo.

As moedas antigas eram feitas de metais preciosos, e tinham valor real. Somente em 1862, durante a Guerra Civil Americana, que o Departamento do Tesouro produziu papel-moeda, que na verdade não era papel, e sim algodão.

As notas foram criadas para compensar a falta de moedas. Como essas moedas antigas continham metais valiosos, os americanos começaram a guardá-las como uma reserva contra as flutuações de dinheiro, que ocorreram durante a guerra.

10 fatos incríveis sobre o Dólar

  1. As moedas têm sulcos para proteger contra a falsificação

A maioria de nós usamos moedas para comprar itens naquelas maquininhas, mas as moedas têm uma história fascinante. Você já se perguntou por que tem aqueles cumes no limite? Eles foram criados para evitar a falsificação.

Sim, mesmo naqueles tempos mais delicados da América colonial, havia criminosos tentando falsificar dinheiro. Esses falsificadores raspavam as bordas das moedas porque eram feitas de prata e ouro. Uma peça de ouro de dez dólares foi feita com dez dólares em ouro real.

Para ganhar um pouco de dinheiro, as pessoas raspavam as bordas das moedas e recolhiam o metal. Se bem feitas, as moedas menores não teriam a ausência de bordas notadas pelos comerciantes.

Isso deu aos criminosos ouro ou prata extra para transformar em mais moedas. Hoje, essas bordas permanecem como uma forma de “braille”, para os deficientes visuais.

  1. Uma nota de dólar dura apenas 18 meses antes de se acabar

A nota de 1 dólar é a nota mais comum nos EUA. As notas de 1 dólar representam 48% das notas de papel impressas pelo Bureau of Engraving and Printing dos EUA. Uma nota de dólar geralmente passa por cerca de 18 meses de uso, antes de se deteriorar.

Se você tiver uma nota de dólar, poderá observar algumas coisas. É fácil notar o “olho que tudo vê” sobre a pirâmide, a águia com 13 flechas em suas garras e a frase em latin “E Pluribus Unum”. No entanto, há algumas coisas que podem ter se perdido com a gastura da nota, como outras frases:

  • Annuit Coeptis – “Deus (ou Ele / Providência) favoreceu nossos compromissos”;
  • Novus ordo seclorum – “Nova Ordem das Eras”;
  • Em Deus confiamos – na verdade, essa frase apareceu pela primeira vez no dinheiro americano entre 1864 e 1873, em uma moeda de dois centavos. Reapareceu em 1955, e está em todo o dinheiro americano desde 1963.

Em 2010, a Casa da Moeda dos EUA produziu cerca de 1.856.000.000 notas de um dólar. Um milhão dessas notas pesam cerca de 925,69 kg. Há 20 anos atrás, a mesma quantia pesaria apenas 9,25 kg. Além disso, você pode alterar uma nota de 1 dólar 293 maneiras.

  1. Os presidentes vivos não podem ter seus rostos na moeda

As moedas de 1 centavo foram a primeira denominação de moedas encontradas nos EUA, e existem desde 1793, quando eram 100% de cobre. O Presidente Lincoln fez sua aparição no 1 centavo em 1909. As atuais moedas de US$ 0,01 são feitas de um pouco de cobre com zinco e níquel. Foram produzidos 4.938,54 milhões de centavos em 2011. O design atual do centavo ainda traz a imagem do presidente Lincoln na frente, mas o verso passou por várias revisões.

Ele agora mostra um escudo da União com 13 faixas verticais, uma única barra horizontal na parte superior que representa a União e a frase “E Pluribus Unum”. Houve tentativas recorrentes de interromper a produção do 1 centavo, mas, por enquanto, ele ainda está sendo produzido.

Pela legislação criada durante os anos de Revolução dos EUA, nenhuma pessoa viva pode ser gravada em uma moeda. Era para garantir que os EUA não parecessem uma monarquia, pois reis vivos eram gravados nas moedas. Porém, houve uma exceção a essa regra, o presidente Calvin Coolidge. Sua imagem foi gravada em uma moeda comemorativa do Sesquicentenário da Independência Americana, em 1926.

  1. A primeira mulher a aparecer em moedas dos EUA não era americana

Várias mulheres apareceram em moedas dos EUA, mas a primeira mulher na verdade não era americana, e sim uma rainha espanhola. Apresentada em uma moeda comemorativa, a rainha Isabella da Espanha foi a primeira dama a ser lançada em uma moeda americana, em 1893.

A primeira dama do país, Martha Washington, foi a primeira mulher a aparecer em uma moeda de prata de US$ 1, que circulou de 1886 à 1891. Desde então, Sacagawea, Susan B. Anthony e Helen Keller são as únicas outras mulheres a receber tal honra.

O primeiro afro-americano a aparecer foi Booker T. Washington. Sua imagem foi lançada em meio memorial. Embora houveram vários tesoureiros afro-americanos nos EUA, nenhum deles foram homenageados em uma moeda circulante.

  1. A Casa da Moeda dos EUA não é o único lugar onde é produzido Dólar

Existem várias comunidades nos EUA que realmente produzem seu próprio dinheiro. Se você já esteve no parque temático da Walt Disney, usou o dinheiro da “Disney”. Muitas faculdades produzem seu próprio dinheiro para uso dos estudantes, e até algumas comunidades pequenas como Ithaca, Nova York, tem seu dinheiro local.

Essa medida foi criada para fornecer mais gastos dentro da comunidade e em pequenas empresas. Você troca várias quantias de dinheiro americano por dólares da comunidade para fazer compras, e esses dólares da comunidade podem aumentar em valor.

  1. Benjamin Franklin é o único não presidente a aparecer em uma nota

Ao contrário do que se pensa, o governo dos EUA nunca emitiu uma nota de um milhão de dólares. A maior denominação já impressa foi um Certificado de Ouro da Série 1934, de US$ 100.000. Essa nota foi usada apenas para transações bancárias, e nunca foi divulgada publicamente. Nela era grafado o retrato do Presidente Woodrow Wilson.

Hoje, a denominação mais alta em circulação pública da moeda em papel dos EUA é a nota de 100 dólares. Os US$ 100 também são a única moeda em circulação que não apresenta um presidente americano em seu rosto. Benjamin Franklin tem a honra.

  1. A nota mais falsificada do país é US$ 20

Nos primeiros anos da nação, a falsificação era um crime punível com a morte. Benjamin Franklin, que também imprimiu dinheiro por um curto período de tempo, na verdade colocou a frase “falsificar é morte” em seu dinheiro. A falsificação foi e é considerada uma ameaça à estabilidade econômica de uma nação.

No início da história do país, antes da criação da Casa da Moeda dos EUA, muitas colônias imprimiram seu próprio dinheiro. O dinheiro estrangeiro era frequentemente usado e grande parte era facilmente falsificado. Para combater isso, a Casa da Moeda e o Serviço Secreto dos EUA foram criados.

A nota de Dólar mais falsificada é a nota de US$ 20, seguida pela nota de US$ 100. Em 2005, o Serviço Secreto dos EUA informou que houve “apreensões estrangeiras totalizando US$ 37,9 milhões em moeda americana falsificada, e passes estrangeiros totalizando US$ 4,8 milhões falsos”. As moedas também ainda são falsificadas, embora atualmente se falsifiquem mais as moedas raras e valiosas.

  1. 95% de todo o dinheiro novo impresso é usado para substituir dólares americanos que acabam no exterior

Em 2012 comemorou-se o 150º aniversário do Bureau de Gravura e Impressão dos EUA. Como parte do Departamento do Tesouro dos EUA, este Bureau supervisiona o Dólar nos EUA. Imprime 37 milhões de notas por dia, ou US$ 696 milhões. Mas esse valor não é ‘dinheiro novo’. 95% por cento disso é impresso para substituir a moeda já em circulação. O dólar dos EUA é a moeda mais usada em transações internacionais.

Toda essa impressão requer 18 toneladas de tinta por dia. O papel e a tinta atualmente usados ​​para imprimir dinheiro são exatamente os mesmos usados ​​durante a Guerra Civil, e não são papel, mas uma mistura de algodão.

Embora isso seja muito impressionante, o Monopoly realmente imprime mais dinheiro anualmente. Nove gravadores produzem todas as placas usadas para imprimir dinheiro, e todas essas placas são gravadas ao contrário.

A Casa da Moeda dos EUA foi o primeiro edifício federal construído pelo governo dos EUA, e ganhou moedas em 1793, usando um sistema decimal criado por Thomas Jefferson.

A maior casa da moeda dos EUA está localizada na Filadélfia, e mede cinco acres. A casa da moeda de São Francisco foi um dos poucos edifícios que sobreviveram ao grande terremoto da cidade, em 1906.

  1. As notas de dólar são imundas

De acordo com vários estudos recentes, o dinheiro é algo realmente sujo. Quanto mais antigas as notas, mais vermes, bactérias e vírus estão presentes nelas, incluindo salmonella e Escherichia coli. Constatou-se que as notas impressas, principalmente em material de algodão, apresentavam os mais altos níveis de bactérias, enquanto as criadas em polímeros mais novos e mais lisos tinham bem menos.

A maioria das bactérias é completamente inofensiva, mas sempre há a possibilidade de germes muito ruins espreitarem no seu dinheiro, inclusive o novo Coronavírus é um grande motivo de preocupação entre os americanos. O melhor conselho é lavar as mãos depois de manusear dinheiro.

  1. As pessoas têm mais fantasias com dinheiro do que com sexo

Diz-se que cada projeto de lei tem uma história: quem o guardou, o que comprou e quem pode ter salvado. Muita história, economia e política seguem o dinheiro, em toda parte.

O dinheiro se tornou a coisa mais procurada pela maioria. Uma pesquisa concluiu recentemente que os americanos têm mais fantasias com dinheiro do que com sexo.

Também se descobriu que suas chances de ganhar na loteria são de aproximadamente uma em 10 milhões. Ainda assim, essa chance existe e, para muitos, a atração pelo dinheiro vale a pena.

 

Por: Cássio Coelho, em:

Fonte: https://www.topmelhores.com.br/cultura/251-10-fatos-incriveis-sobre-o-dolar-moeda-oficial-dos-estados-unidos

 

Fechar Menu
WhatsApp Fale conosco!